quarta-feira, agosto 08, 2018

Para à transmigração de Almas - ERIC PONTY


A metade da passagem triste vida
Já me encontrava em uma urbe escura,
Com a senda direita já perdida.

Ah, pois dizer qual era coisa dura,
esta urbe selvagem, áspera e forte
Que no pensar renova com o medo!

É tão amarga que algo já mais morte,
Mas por tratar do bem que ali achei
Direi de quanto ali me culpo na sorte.

Repetir não saberia como entrei,
Pois me vencia o sonho mesmo dia
Em que ti veraz caminho abandonei.

Mas atrás chegar ao centro que subia
Ali onde aquela torre terminava
Que com pavor a Minh´ alma confundia,

Se mirar cumpre, vi ali que estava
Então vestida dos raios do anátema
Que o bom caminho a todos assinava.

Quedasse à apreensão um pouco quieta
Que de meu coração dolorido
Em n´ilha durou à noite inquieta.

E como aquele com alento ardido,
Do pélago saído a sua margem,
mira a água que quase lhe há perdido,

Minh´ alma, fugitiva então era,
volveu-se a contemplar de novo passo
Que não atravessa nada sem que padeça.

ERIC PONTY

sábado, agosto 04, 2018

Réquiem a um corpo - ERIC PONTY

À Carlos Drummond de Andrade
Meu corpo não é meu corpo, corpóreo
Sendo ilusão de outro ser. À ilusão
Sabe a arte de esconder-me sobrancelha
É de tal modo sagaz qual na sombra
que a mim de mim ele oculta ela.

Meu corpo, não meu agente, que sente,
meu envelope selado, está errado
meu revólver de alumbrar-me eu,
tornou-se meu carcereiro, morteiro
Me sabe mais que me sei saberá.

Meu corpo apaga a lembrança acerca,
que eu tinha de minha mente. geme
Inocula-me seus fardos, nunca parados,
me atacando, fere e condenando,
Por crimes talvez subtraídos na vista.

O seu ardil mais diabólico da mente
está em fazer-se doente. De crente
Joga-me o real dos males tais
que ele tece a cada instante na gente
E me passa em revulsão. Convulsão.

Meu corpo inventou a dor fez rotina
Por enfim de torná-la interna neblina,
Integrante meu ego, faz se logo,
ofuscada à da luz parafina
que aí tentava espalhar-se plano algo.

Outras vezes se diverte para tanto,
Sem que eu saiba ou que me almeje,
E nesse prazer maligno, bendigo
que suas células impregnam à alma,
Do meu mutismo escarnecer canto.

Meu corpo ordena que eu saia de mim dentro
Em buscando do que não quero dize-lo,
E me negando, ao se afirmar como Eu
Como senhor da minha mente criva
Passo ser convertido em cão servil.

Este meu prazer mais refinado,
Não sou eu quem vai poucos senti-lo.
É ele, por mim, profanado, errado
e dá mastigados restos mandíbula
à minha fome absoluta. à fome resolvida.

Se tento dele afastar-me, de sua herança,
Por abstração ignorá-lo, desavença
Retornando a mim, com todo esse pesar
De sua carne diluída pelas nuvens súbito,
Seu tédio, seu desconforto. Seu dolo.

 Quero romper com meu corpo, tão eletivo
quero enfrentá-lo, acusá-lo, encéfalo
por abolir minha essência, já paterna
mas ele sequer me escuta tão terna
E segue pelo rumo oposto. Ao opróbrio.

Já premido por seu pulso ergue uso pulso
inquebrantável rigor, dá valor
não sou mais quem dantes era: tão moço
com volúpia dirigida, à musa mente
saio a bailar com meu corpo eternal.
ERiC PONTY

O ABUTRE - POR JORGE LUIZ BORGES


Segundo se sabe, Virgílio, ao ponto de falecer, encarregou aos seus amigos que reduzem as cinzas inconclusivo manuscrito da Eneida, no que se cifravam onze anos de nobre e delicado labor; Shakespeare não pensou jamais em reunir em um só volume nas muitas peças de sua obra;

Kafka encomendou a Max Brod que destruísse as novelas e às narrações que que iriam asseguravam sua fama. A afinidade de estes episódios ilustres és, si não me engano, ilusória.

Virgílio não podia ignorar que contava com a piedosa desobediência de seus amigos; Kafka com a de Brod. O caso de Shakespeare é distinto. De Quincey conjetura que a Shakespeare à publicidade consistia na representação e não na impressão; o cenário era importante a ele.

Por demais, o homem que realmente quer à sonegação de seus livros não encarrega essa tarefa a outro. Kafka e Virgílio no desejavam sua destruição; só alhearam desligar-se da responsabilidade que uma obra sempre nos impõe.

Virgílio, creio, obro por rações estéticas; houvera querido modificar tal qual à cadência o tal qual epíteto. Mais complexo é o, me parece, o caso de Kafka.

Caberia definir seu labor como uma parábola o uma série de parábolas, cujo tema é a relação moral do indivíduo com a divindade e com sua incompreensível universo. Apesar de seu ambiente contemporâneo, está menos cerca do que se há dado chamar literatura moderna que do Livro de Job.

Pressupõe una consciência religiosa e ante todo judia; sua imitação formal em outros contextos carece de sentido. Kafka percebia sua obra como um ato de fé e não queria que esta desalentara aos homens. Por tal ração encarregou a seu amigo na sua destruição.
JORGE LUIZ BORGES
TRAD. ERIC PONTY


SONETO DE W, SHAKESPARE -


Que foste era mesmo! Sendo fez ti.
Nos longos instantes te aguardaram,
Outra vez sinto fim confiaria cá,
Suave semblante a outro lugar surgir.

Deveria àquela graça ao aluguel,
Não tenhas por fim onde tu estavas,
Tu mesmo após à morte enfim teu,
Quão causa, forma doce devo sofrer.

Quem pode tanto casa cair residência,
Criação em honra poderia defender,
Contra as lufas temporais dia invernal.
Á Raiva estéril do frio eternal morte?

Ninguém, mas sem ater! Meu amor, tu sabes,
Tu tivesses um pai deixa que ele te fale.
TRAD. ERIC PONTY

segunda-feira, julho 23, 2018


35 E respondendo, Jesus dizia enquanto ensinava no templo: “Como dizem os escribas que o Cristo é filho de Davi? 36 O próprio Davi afirmou, inspirado pelo espírito santo:

                                               Disse o Senhor ao meu Senhor:
                                               ‘Senta-te à minha direita,
                                               até que ponha os teus inimigos 
                                               debaixo dos teus pés’.

Evangelho segundo Marcos



"Nada supérfluo pode legitimamente pertencer a nós, enquanto outros passam necessidades."

Jean-Paul Marat

domingo, julho 22, 2018

O CAVALEIRO DE BRONZE -(PRÓLOGO) Aleksandr Serguieyevich Pushkin

PRÓLOGO



Nas costas das desertas ondas nas margens,
Que estão grandiosos desígnios tomados,
Se olhava ele, abismar-se fazia o distante.
Ante seus olhares se inchava o rio
Por ele que um pobre esquife viajava.
Haver aqui e ali choupanas miseráveis,
Abrigo despojados finlandeses,
Cobriam-se dos ribeiros pantanosos,
E bosques ignorados por os raios,
Dum sol sempre ocultar entre a neve,
Por onde quer ressoavam por estes lados.

E ELE então pensou consigo:

«Desde aqui infundirei pavor ao sueco,
E encherei os cimentos duma cidade,
Para irritar a esse vizinho altivo.
Aqui ordenara-nos Natureza
Que abriremos a Europa uma janela,
É firme pontal na costa dos mares,
Aonde por um mar para eles novo,
Chegaram barcos de todas as bandeiras,
Para tratos e festas a porfia.»

Um século transcorreu, e uma urbe nova,
Do Setentrião à glória e o assombro,
Se levantou soberba e suntuosa,
Do obscuro do bosque e a marisma.
Onde os pescadores finlandeses,
Da Natureza infaustos filhos da natura,
Desde o baixo e solitário oceano,
As ignotas águas arrolhavam
Suas decrépitas redes, hoje em dia,
Pelos ribeiros cheios de azáfama,
Esbeltos edifícios se vislumbram,
E algazarres e torres; desde todos
Os pontos das Terrestres, multidões
Dos navios se dirigem nessas molas.

Agora a Neve se veste de granito;
Cruzaram águas pontes incontáveis,
Se cobrem com as ilhotas de jardins,
Verde obscuro. E inclina à cabeça
Ante da jovem capital tão antiga
Moscou, como ante nova soberana,
Viúva real de púrpura vestida.

Te amo, criação de Pedro, amo teu aspecto
Severo ao num tempo cheio de acordo,
Na corrente do Neva majestoso
Dentre seus parapeitos de granito,
Ao arabesco de teus férreos bares,
Do transparente ocaso de tuas noites,
Cujo fulgor sem lua está me embeleza,
Quando estou em meu quarto escrevendo,
Relendo sem lâmpadas, e as pálidas.

Ruas adormecidas e vazias,
Na áurea agulha do almirantado,
Assim, sem deixar passo nas trevas,
Duma aurora a outra aurora lhe sucede
No doirado céu, até ao tal ponto
Que não durará à noite meia hora.
Amo teu cruel inverno, ao ar de calma,
Na gelada e ao correr das locomotivas,
Sobre a Neva largamente, e a bochecha,
Doncellil, mais purpúreas que a rosa,
À conversa ao brilho, o ruído dos bailes
E, agora das festas de solteiro,

Ao chocar destas copas espumosas
Chama azul dos eliminadores.
Adoro a belicosa animação,
Dos campos de Marte e seus desfiles,
Ao uniforme beleza artificiosa,
Massas dos infantes e cavaleiros,
Nas triunfantes fileiras ondulantes
Das gloriosas bandeiras em farrapos,
E ao esplendor dos bronzeados elmos,
Que na guerra são balas trespassaram.

Amo, cidade marcial, tiros canhões,
E da fumaça de tua Fortaleza,
Quando a Imperatriz do Setentrião,
Deu à luz um filho na casa dos Czares,
Quando celebrar Rússia uma vez mais,
Sua vitória campal sobre ao contrário,
Ou quando, atrás romper ao fim o céu,
Lhe arrastra ao Neva ao mar, e barruntando
Dias de primavera, se alvoroçava.

Resplandece por sempre, urbe de Pedro,
E permanece firme como Rússia!
Que ao líquido elemento derrotado
Também venha a rendição homenagem!
Que se esqueçam as ondas de Finlândia
De seu hostil cativeiro milenar,
E não perturbem com seu vão rancor,
Pedro O Grande o sonho sempiterno!

Sendo abissal aquele dia, e sua memória,
Estando recente em nós, todavia!
Os falarei ocorreu, amigos meus,
Sendo com à tristeza meu relato.



Aleksandr Serguieyevich Pushkin

sexta-feira, julho 20, 2018

O Fanfarro - Charles Baudelaire -

Enquanto a ela, que está cada dia mais gorda; se havendo convertido numa beleza grossa, limpa, lustrosa e astuta, tendo dito uma sorte de ser uma cortesã elegante. Um destes dias comungará próximo à Pascoa e entregará ao pão bendito em sua paróquia. Nessa época estará morto antes de haver concluído sua obra, Samuel este definitivamente «mesquinho embaixo da lousa de sua tumba», como costumava a disser em seus bons tempos, o Fanfarro, com seus ares de cânone, o que transtornará à cabeça de algum jovem herdeiro.

Contudo tanto, estudou a convidar aos meninos ao mundo; acabou de parir felizmente a dois gêmeos. Samuel haverá haver dado à luz quatro livros de ciência: um livro sobre os quatro evangelistas, outro sobre um tal simbolismo das cores, um de memória sobre um novo código de anúncios, e um quarto cujo título nem eu mesmo ousarei recordar. O mais espantoso deste último é que está cheio de eloquência, energia e indiscrições. Samuel teve o desplante de colocar-se duma epígrafe: Auri sacra fames! O Fanfarro quer que sua amante ingresse num Instituto, e está fazendo intriga pôr todo ministério à que lhe deem à cruz de Honra há qualquer custo.

Tão pobre cantor das Osíris! Tão Pobre Manuela de Monteverde! Que está numa tal baixaria que há de ter descaído! Me zelei ultimamente de que teria fundado um jornaleco socialista e que queria dedicar-se à política. Como ela pode ter uma inteligência desonesta! Como já haveria me alertado o honesto monsieur Nisard!




CHARLES BAUDELAIRE

O Mal Monge - Charle Baudelaire

Sobre teus altos muros, os claustros tão velhos,
Expunham em teus quadros à desta santa Verdade,
Em cuja impressão, encadeava às piedosas entranhas,
E já tremendo frio em tua vera austeridade.

Naquele tempo, quando crescia vulto do Cristo,
Mais dum ilustre monge, hoje já pouco citado,
Tomando por talher deste campo funerário,
Glorificavam à Morte com naturalidade.

—Minh ´alma é esta tumba que eu, mal cenobita,
 Desde à eternidade habito em que recorro;
 Nada embelece os muros deste claustro odioso.

Ô monge folgadão! Porque arranjarei inventar,
E com que vivo vista de minha triste miséria,
À obra de minhas mãos e amor de meus olhos?



Charles Baudelaire

quinta-feira, julho 19, 2018

O MONUMENTO TRABALHADOR

I
Lâminas lavradas trabalhador, 
Amontoados nessa cova poeirenta 
Onde há muito jaz zelo ao relento 
Dormindo instrução que faz sombria,

Retratos dos quais a grandeza vós clamais,
E o cabedal de um velho trabalhador,
Conquanto dores na matéria vivia,
Comunicaram grandeza vós flamais,

Veem-se, sendo fazem mais repletos
Que são desses fantásticos labores,
Ao escavarem como trabalhadores, 
Escalpelados dogma dos esqueletos.


II

Desses carvões por vós lavrados nos mares, 
Mornos campônios desmoronamentos,
Dum todo desse esforço destes poços,
Ou dos másculos panfletos à verve,

Digais, que missa estranha e alheia,
Nas ralés destes expulsos carneiros,
Ceifais, pastor que fez fazendeiro 
Careceis deixar quinta cheia homília?

Falais que (de um destino tão gracioso 
Espantoso Sol límpido problema!)
Demostrais nem na arena extrema finda
Já vós quereis dormitar nos é abrigado;

E que sol falhar conosco é falsário; 
Que tudo, à sorte até nos traz mente,
Jazer sempre eterno mito montanha,
Quiçá seja imprescindível ir prumo.

Sendo nalgum país incógnito paz,
Escalpelar à terra pá labor livra,
E proclamar uma áspera pá livra,
Com emblema descalço doloroso?
ERIC PONTY

quarta-feira, julho 18, 2018

Elegias Romanas - Johann Wolfgang von Goethe

Os felizes que fomos outrora
Tenhamos de sabê-lo agora por vós!






I

Dizei-me, pedras, diga-nos, ô excelsos palácios!
Uma palavra, silencie! Gênio, não te comoves?
Sim, tudo tem alma entre tuas sacras muralhas,
Eternal Roma! Só para mim silencia tudo.
Ô, quem me sussurrará de qual janela observará
À doce criatura me aliviará ao abrasar-me?
Não pressinto a duma das passagens pôr os que dias atrás dia.
Em ir e vir a sua casa sacrifique o tempo precioso?
Há um contemplo palácios, igrejas, ruinas, colunas,
Como o prudente viajante se prevalecer judicioso.
Porém isto passará instante! Logo será um só templo,
O templo de Amor, ele dará seu amparo ao beato!
Eras assim tudo sim, Roma, apesar disso sem amor
Nem o mundo seria o mundo, nem Roma também não Roma.


Johann Wolfgang von Goethe

O Cristo - Jorge Luiz Borges


O Cristo está cruz. Os pés tocam a terra.
Os três madeiros são de igual altura.
O Cristo no está no meio. Sendo terceiro.
A negra barba pende sobre seu peito.
O rosto não é o rosto das lâminas.
Sendo áspero e judeu. Não o vejo
E seguirei buscam do até o dia,
O Último de meus passos pôr a terra.
O homem quebrantado sofre e cala.
A coroa de espinhos a lástima.
Não o alcança blefando da plebe
Que há visto sua agonia tantas vezes.
O seu ou de outro. Do mesmo.
O Cristo na cruz. Desordenadamente
Pensa no reino que talvez o espera,
Pensa em uma mulher que não foi seu.
Não lhe está dado ver a teologia,
á indecifrável Trinidade, os gnósticos,
as catedrais, a Navajas de Occam,
há púrpura, a mitra, à liturgia,
Sendo conversão de Guthrum pela espada,
Nesta Inquisição, o sangue dos mártires,
às atrozes Cruzadas, Joana de Arc.,
O Vaticano que benzeu os exércitos.
Sabendo que não é um deus e que é um homem
Que padece com o dia. Não lhes importando.
Lhe importa o duro ferro dos cravos.
Não sendo um romano. Não é um grego. Gemendo.
Nos há deixado esplêndidas metáforas
E uma doutrina do perdão que pode,
anular o passado. (Essa sentença
há escreveu um irlandês num cárcere).
A alma busca o fim, apressurada.
Ha obscurecido um pouco. Já sendo o morto.
Anda uma mosca pôr na carne quieta.
De que pode servir-me que aquele homem
havendo sofrido, se eu sofro agora?


 Jorge Luiz Borges